> > >

Pesquisar este blog

segunda-feira, 28 de julho de 2008

MA (Casa) - MA (Zeitum)

O MILAGRE DO SOL - Sexta Aparição (13 de Outubro) O período que mediou entre a Quinta e a Sexta aparição foi de grande tensão para os pastorinhos.



As pressões foram muitas e vinham de todos os quadrantes, políticos, religiosos, sociais e até familiares. 

A mãe da Lúcia previa que se não acontecesse o milagre prometido, a ira popular poderia levar a que os acontecimentos se precipitassem ao ponto de temer pela vida da sua filha e dos seus sobrinhos Francisco e Jacinta. 

Naquele dia, cerca de 70.000 almas estavam presentes na Cova da Iria, uns por devoção, outros por curiosidade e muitos na esperança de verem confirmada a farsa que tanto apregoavam. 

Chovia muito neste dia. Toda a multidão estava encharcada em água. Era cerca de meio-dia quando Lúcia mandou calar a multidão, "... já lá vem Nossa Senhora".






ma - MARIA (continuação) 



maCASA DE NAZARÉ - translado da - Santa Casa de Maria em Loreto é autêntica Confirmam novos estudos arqueológicos LORETO, quarta-feira, 29 de março de 2006 (ZENIT.org).- Segundo um estudo arqueológico dirigido pelo arquiteto Nanni Monelli e o padre Giuseppe Santarelli, diretor da Congregação Geral da Santa Casa de Loreto, as pedras que se encontram na gruta da Anunciação em Nazaré têm a mesma origem que as pedras do altar dos Santos Apóstolos da Santa Casa de Loreto. Esta descoberta reabriu a discussão sobre a validade histórica da trasladação da Santa Casa de Nazaré a Loreto, santuário nacional da Itália, e sobre o mistério de como aconteceu esta trasladação. Segundo a tradição, a casa foi trasladada milagrosamente desde Nazaré para Tersatto (hoje na Cracóvia) em 1291 e logo a Loreto. Giorgio Nicolini, especialista na matéria, autor do livro em italiano «A historicidade da milagrosa trasladação da Santa Casa de Nazaré a Loreto» («La veridicità storica della miracolosa Traslazione della Santa Casa di Nazareth a Loreto») explicou a Zenit que «sobre a autenticidade da Santa Casa de Loreto como a “verdadeira Casa nazarena” de Maria não houve nunca dúvida, a não ser nos que não conhecem os estudos seculares a esse respeito; tanto que todos os sumos pontífices, durante sete séculos, confirmaram a autenticidade com solenes atas canônicas de “aprovação”». Agora, este estudo sobre o Altar dos Apóstolos «é importante porque, além de proporcionar uma ulterior prova da autenticidade da Santa Casa de Loreto como a “Casa nazarena” de Maria, proporciona também uma “prova” ainda mais espetacular quanto à “milagrosa” “trasladação” da Santa Casa de Nazaré». A esse respeito, o beato Pio IX escrevia, na bula «Inter omnia», de 26 de agosto de 1852: «Em Loreto venera-se aquela Casa de Nazaré, tão querida ao Coração de Deus, e que, fabricada na Galiléia, foi mais tarde separada de suas bases e, pela força divina, trasladada mais além do mar, primeiro à Dalmácia e logo à Itália». Por ocasião da celebração litúrgica da «milagrosa» trasladação, em 10 de dezembro, Bento XVI enviou ao bispo de Loreto uma «inequívoca» e bela oração para ser recitada no Santuário, informa o autor do livro. maCASA DE NAZARÉ TRANSLADADA - Mais de 700 anos de Devoção a Nossa Senhora de Loreto (1294-1997) ÚLTIMAS DESCOBERTAS Durante séculos a devoção a N. S. de Loreto se desenvolveu a partir de uma história que, embora fantástica em alguns aspectos, era propagada, relatada e chegou até nós. A Casa Santa de Loreto sempre fora, no entanto, objeto de estudos. E foram esses estudos bem recentes que vieram revelar fatos novos que possibilitam a reconstituição da história do surgimento da Santa Casa de Loreto. O Santuário de Loreto, conforme uma antiga tradição, guarda a Casa que morou Nossa Senhora em Nazaré na Galiléia. A casa da Virgem Santíssima, naquela cidade, era composta de duas partes: uma gruta escavada na rocha, ainda hoje venerada na Basílica da Anunciação em Nazaré, e a outra, uma construção de pedras na frente da gruta.(ver foto: a parte em amarelo) Consoante a tradição, em 1291, quando os cruzados foram expulsos da Palestina, após a queda do Porto de Acon, a parte construída com pedras foi transportada por meio dos Anjos, primeiramente para a Híria e depois para o território lauretano (10 de dezembro de 1294). Atualmente, com base em novas indicações documentárias e nos resultados das escavações arqueológicas no subsolo da Santa Casa (1962-1965) e em estudos filológicos e iconográficos, se vai sempre mais consolidando a hipótese de que as pedras da Santa Casa foram trazidas em navios por iniciativa dos homens. De fato, um documento de setembro de 1294, descoberto recentemente, atesta que Nicéforo Ângelo, déspota do Epiro, dando sua filha Itamar como esposa a Filipe de Táranto, quarto filho de Carlos II de Angió, rei de Nápoles, entregou a ele uma série de dotes de casamento entre os quais apareciam, com clara evidência, "as Santas Pedras da Casa de Nossa Senhora , a Virgem Mãe de Deus, que foram trazidas para cá ". Este dado está de acordo com o que dizem alguns estudiosos do início deste século. Afirmam eles, com efeito, ter lido esta notícia em outros documentos do Arquivo Vaticano, presentemente desaparecidos. Neles se lia que uma família Bizantina chamada dos Anjos, em latim, De Angelis, no século XII, salvou da destruição muçulmana as pedras da Santa Casa de Nazaré e as mandou trazer para Loreto a fim de construir aqui a Capela. ACHADOS ARQUEOLÓGICOS Também alguns achados arqueológicos confirmam o documento de 1294. Foram encontradas debaixo da Santa Casa duas moedas de Guido de La Roche, duque de Atenas de 1287 a 1308 - época da transladação da Santa Casa. - O duque era filho de Helena dos Anjos, prima de Itamar e vassalo de Filipe de Táranto. Além das moedas, numa parede da Santa Casa há uns rabiscos onde parece que se pode ler ATENEORUM, isto é, dos Atenienses, com referência ao âmbito geográfico de família dos Anjos. Mais. Uma moeda de Ladislau de Angió-Durazzo, bisneto de Filipe Táranto e rei Nápoles de 1386 a 1414, se achava na parede entre pedras juntamente com cinco pequenas cruzes de fazenda vermelha, distintivo dos cruzados ou, mais provavelmente, de cavaleiros de uma ordem militar que, na Idade Média, defendia os lugares santos e suas relíquias. Encontrava-se, ainda, as cascas de um ovo de avestruz que lembra a Palestina e era símbolo do mistério da Encarnação. De grande importância são igualmente certos grafitos rabiscados em algumas pedras da Santa Casa. Estes daqui se assemelham muito aos que foram encontrados também em Nazaré. Provavelmente do nome da família dos Anjos ( DE ANGELIS ) do Epiro surgiu a versão popular de que a Santa Casa veio para cá mediante o "ministério angélico", isto é, transportada pelos anjos. 



maDRESDEN, MANIFESTO DE - (OBSERVAÇÃO - Muito cuidado com esta informação, pois corre o risco de não ser verdadeira - Em todas as pesquisas que fiz não cheguei a nenhuma conclusão positiva. Isto pode ser algo implantado na internet para apanhar incautos)

Os protestantes e Nossa Senhora: o Manifesto de Dresden Comentário: Publicamos o documento chamado o "Manifesto de Dresden", no qual um grupo de teólogos protestantes alemães reconhecem alguns pontos essenciais da doutrina católica, notadamente os referentes à Nossa Senhora. Curiosamente esse documento não é utilizado, nem divulgado, pelos teólogos modernistas-católicos (desculpem-nos pelo nome contraditório) promotores do "ecumenismo". Seria de se esperar, caso houvesse realmente interesse desses teólogos em promover a "união com nossos irmão separados", em se divulgar amplamente esse manifesto, já que eles mesmos o fizeram. Claro que não existe um grupo que represente o pensamento generalizado do protestantismo, pois a mentira não tem unidade. No entanto, pela importância do local e da época (Alemanha Oriental na era comunista), essa oportunidade deveria ser amplamente utilizada para promover a "união", mas desta vez, na Verdade.

--------------------------------------------------
OS PROTESTANTES E NOSSA SENHORA -  ATENÇÃO: Vejam a observação no verbete acima - O Manifesto de Dresden Um grupo de teólogos luteranos (protestantes) da Alemanha Oriental publicou um texto denominado "Manifesto de Dresden", na revista "Spiritus Domini", número 5, em maio de 1982. Eis alguns trechos: "Em Lourdes, em Fátima e em outros santuários marianos, a crítica imparcial se encontra diante de fatos sobrenaturais, que tem relação direta com a Virgem Maria, seja mediante as aparições, seja por causa das graças milagrosas solicitadas pela sua intercessão. Estes fatos são tais que desafiam toda a explicação natural. Sabemos ou deveríamos saber que as curas de Lourdes e Fátima são examinadas com elevado rigor científico por médicos católicos e não-católicos. Conhecemos a praxe da Igreja Católica, que deixa transcorrer vários anos antes de declarar alguma cura milagrosa. Até hoje, 1200 curas ocorridas em Lourdes foram pelos médicos consideradas cientificamente inexplicáveis. Todavia a Igreja Católica só declarou milagrosas 44 delas. Nos últimos 30 anos, 11000 médicos passaram por Lourdes. Todos os médicos, qualquer que seja a sua religião ou posição científica, tem livre acesso ao "Bureau des Constatations Medicales". Por conseguinte, uma cura milagrosa é cercada das maiores garantias possíveis. Qual é, pois, o sentido profundo destes milagres no plano de Deus? Bem parece que Deus quer dar uma resposta irrefutável à incredulidade dos nossos dias. Como poderá um incrédulo continuar a viver de boa fé na sua incredulidade diante de tais fatos? E também nós, cristãos-evangélicos, podemos ainda, em virtude de preconceitos, passar ao lado destes fatos sem nos aplicarmos a um atento exame? Uma tal atitude não implicaria grave responsabilidade para nós? Por que um cristão evangélico pode ter o direito de ignorar tais realidades pelo fato de se apresentarem na Igreja Católica e não na sua comunidade religiosa? Tais fatos não deveriam, ao contrário, levar-nos a restaurar a figura da Mãe de Deus na Igreja Evangélica? Somente Deus pode permitir que Maria se dirija ao mundo, através de aparições. Não nos arriscamos talvez a cometer um erro fatal, fechando os olhos diante de tais realidades e não lhes dando atenção alguma? Cristãos Evangélicos da Alemanha, deveremos talvez continuar a opor-lhes recusa e indiferença? Continuaremos a nos comportar de modo que o inimigo de Deus nos mantenha em atitude de intencional cegueira? Não deveremos talvez abrir o nosso coração a esta luz que Deus faz brilhar para a nossa salvação? Tal problema evidentemente merece exame,: não deve ser afastado de antemão, por preconceito, pelo único motivo de que tais curas são apresentadas pela Igreja Católica. Uma tal atitude acarretaria grave dano para nós mesmos e para o mundo inteiro. Grande responsabilidade nos toca. Temos o direito de examinar tias fatos. Não nos é possível passar ao largo e encampar tudo no silêncio. Hoje, em alguns países, está em causa a existência mesmo do Cristianismo. Seria o cúmulo da tolice ignorarmos a voz de Deus que fala ao mundo, pela mediação de Maria, e dar-lhe as costas, unicamente, porque Ele faz ouvir sua voz através da Igreja Católica. Como quer que seja, não podemos calar por muito tempo sobre tais realidades. Temos que examiná-las, sem preconceito, pois é iminente uma catástrofe. Poderia acontecer que, rejeitando ou ignorando a mensagem que Deus nos faz chegar através de Maria, estejamos recusando a última graça que ele nos oferece para a nossa salvação. É, por isso, um dever muito grave para todos os chefes da Igreja luterana e para outras comunidades cristãs examinar tais fatos e tomar uma posição objetiva. Este dever impõe-se também pelo fato de que a Mãe de Deus não foi esquecida somente depois da Guerra dos 30 anos e na época dos livres pensadores da metade do século XVIII. Sufocando no coração dos evangélicos o culto da Virgem, destruíram os sentimentos mais delicados da piedade cristã. No seu Magnificat, Maria declara que todas as gerações a proclamarão bem-aventurada até o fim dos tempos. Todos nós verificamos que esta profecia se cumpre na Igreja Católica e, nestes tempos dolorosos, com intensidade sem precedentes. Na Igreja Evangélica, tal profecia caiu em tão grande esquecimento que dificilmente se encontra algum vestígio da mesma. Ainda uma vez estas reflexões nos impõem o dever de examinar os fatos acima citados e de tirar dos mesmos todas as conclusões pertinentes."
---------------------------------------------------------
Para citar este texto: "Os protestantes e Nossa Senhora: o Manifesto de Dresden" MONTFORT Associação Cultural



Online, 17/03/2007 às 17:09h 




maDESCENDENTE DE DAVI - Josemberg - "... Você está contestando a descendência de Maria, no entanto, existem protestantes que acreditam nesta linhagem!!!! Se Cristo não é Filho de José mas apenas de Maria por ação do Espírito Santo , por que é dito que Cristo descende de Davi? Claro que pela linhagem de José da forma que a tradição transmitiu, mas exegetas dizem que Maria também procederia da linhagem real da Casa de David. De que modo? O bisavô de Maria , Panther , foi irmão de Mathat . Seu bisavô Bapanther foi primo de Heli. E seu pai Joaquim foi primo de José , filho por levirato de Heli (aqui Mathat é substituido por Melchi.) 



Não só São José era descendente de Davi, mas também a Virgem Maria. 

Você pode ver que, no capítulo I de São Mateus, são citados os antepassados de São José, enquanto em São Lucas, no capítulo III, 23, são dados nomes totalmente diferentes que são os dos antepassados da Virgem Maria. Tanto a Virgem Maria como São José eram descendentes de Davi. Outra prova disso é que ambos, quando do edito de César para o recenseamento Maria e José, foram se registrar em Belém, cidade de Davi. Ora, se Maria não fosse descendente de Davi, ela teria tido que se recensear em outra cidade. 
A geração de Cristo foi feita por obra do Espírito Santo que criou com a contribuição humana de Maria os elementos necessários à geração humana de Cristo no seio da Virgem. (Sr. Fedeli) 
Você sempre posta as cinco solas, dentre elas é claro a sola scriptura, então: Por que existem duas genealogias diferentes para Jesus ; a partir de São José, seu pai, em São Mateus e São Lucas ? 
Jesus foi filho de José, que foi filho de Jacob (Mateus 1:16) ou Jesus foi filho de José , que foi filho de Heli (Lucas 3:23)?" 

maFÁTIMA - 1 - FÁTIMA DESMASCARADA - RESPOSTA DO DEMAPRO - 


DESMASCARANDO O ENGODO: “FÁTIMA DESMASCARADA” Dizia o enganador: Na noite de quinta feira 15 de Julho de 1999, o canal 1 da RTP transmitiu um debate entre dois padres católicos sobre Fátima. Eram eles, o padre monsenhor José Geraldes Freire, a favor de Fátima e o padre Mário de Oliveira, contra Fátima. Este debate, ou frente-a-frente, foi moderado pela jornalista Judite de Sousa. Resposta: Note no texto que segue, que embora o enganador protestante fale de “debate” entre dois padres, apenas um fala, o outro nasceu sem boca. Só isso já desmoraliza esta manobra protestante. Dizia o enganador: À pergunta feita pela jornalista, sobre a beatificação dos pastorinhos Jacinta e Francisco, o padre Mário respondeu que "todas as crianças são inocentes e a melhor expressão do reino de Deus é que estas crianças foram vítimas de exploração e maus tratos e ainda agora estão a ser exploradas". Resposta: quanto a acusação vazia de que a Igreja pratica "exploração infantil" por causa da fama dos pastorinhos. A resposta está na Bíblia: (AT 2,17) “E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos mancebos terão visões, os vossos anciãos terão sonhos”. Dizia o enganador: Sobre o testemunho de Maria Emília Santos, de 60 anos e que depois de 22 anos de paralisia se sentir curada por um milagre de Fátima, o padre Mário responde, com ironia, que «se houve uma intervenção do Céu, o Céu poderia ter feito um milagre melhor, pois não é um milagre que se apresente». Ao ser questionado se ainda se considera um padre católico, ele responde que «procura seguir o Deus revelado em Jesus de Nazaré e em Maria; não o Deus da Senhora de Fátima. O cristianismo de Fátima tem mais de paganismo do que de Jesus". Resposta: quanto á dúvidas lançadas sobre os milagres de Fátima, Desmoralizamo-las com o “Manifesto de DRESDEM” dos próprios teólogos luteranos que as atestam, respaudados por 11.000 médicos de todos os credos. Um grupo de teólogos luteranos (protestantes) da Alemanha Oriental, publicou um texto denominado "Manifesto de Dresden", na revista "Spiritus Domini", número 5, em maio de 1982. Eis alguns trechos: "Em Lourdes, em Fátima e em outros santuários marianos, a crítica imparcial se encontra diante de fatos sobrenaturais, que tem relação direta com a Virgem Maria, seja mediante as aparições, seja por causa das graças milagrosas solicitadas pela sua intercessão. Estes fatos são tais que desafiam toda a explicação natural. (...) Sabemos ou deveríamos saber que as curas de Lourdes e Fátima são examinadas com elevado rigor científico por médicos católicos e não-católicos. Conhecemos a praxe da Igreja Católica, que deixa transcorrer vários anos antes de declarar alguma cura milagrosa. Até hoje, 1200 curas ocorridas em Lourdes foram pelos médicos consideradas cientificamente inexplicáveis. Todavia a Igreja Católica só declarou milagrosas 44 delas. Nos últimos 30 anos, 11000 médicos passaram por Lourdes. Todos os médicos, qualquer que seja a sua religião ou posição científica, tem livre acesso ao "Bureau des Constatations Medicales". Por conseguinte, uma cura milagrosa é cercada das maiores garantias possíveis. Qual é, pois, o sentido profundo destes milagres no plano de Deus? (...) E também nós, cristãos-evangélicos, podemos ainda, em virtude de preconceitos, passar ao lado destes fatos sem nos aplicarmos a um atento exame? Uma tal atitude não implicaria grave responsabilidade para nós? Por que um cristão evangélico pode ter o direito de ignorar tais realidades pelo fato de se apresentarem na Igreja Católica e não na sua comunidade religiosa? Tais fatos não deveriam, ao contrário, levar-nos a restaurar a figura da MÃE de DEUS na Igreja Evangélica? Somente Deus pode permitir que Maria se dirija ao mundo, através de aparições. Não nos arriscamos talvez a cometer um erro fatal, fechando os olhos diante de tais realidades e não lhes dando atenção alguma? Cristãos Evangélicos da Alemanha, deveremos talvez continuar a opor-lhes recusa e indiferença? Continuaremos a nos comportar de modo que o inimigo de Deus nos mantenha em atitude de intencional cegueira? (...) Não nos é possível passar ao largo e encampar tudo no silêncio. Hoje, em alguns países, está em causa a existência mesmo do Cristianismo. Seria o cúmulo da tolice ignorarmos a voz de Deus que fala ao mundo, pela mediação de Maria, e dar-lhe as costas, unicamente, porque Ele faz ouvir sua voz através da Igreja Católica. Como quer que seja, não podemos calar por muito tempo sobre tais realidades. Temos que examiná-las, sem preconceito, pois é iminente uma catástrofe. Poderia acontecer que, rejeitando ou ignorando a mensagem que Deus nos faz chegar através de Maria, estejamos recusando a última graça que ele nos oferece para a nossa salvação”. (até aqui o Manifesto de Dresden). Dizia o enganador: E Nossa Senhora não é o mesmo que Maria, mãe de Jesus ? - pergunta a jornalista. "Senhor, na Bíblia, quer dizer Deus. No santuário de Éfeso também havia uma divindade e Paulo insurgiu-se contra ela. Senhora, é um título divino e isto é idolatria. Ela diz que é a escrava do Senhor e não a Senhora do Senhor. As aparições de Fátima são demoníacas, não está ali a marca de Jesus. A Missão Abreviada era um livro teologicamente terrorista, e as crianças eram assim aterrorizadas. Era um livro que substituía a Bíblia. O Deus, das memórias de Lúcia, mete no inferno quem não for à Missa, quem der um beijo no namorado, quem disser um palavrão, uma injúria, quem jurar falso assim a brincar». Resposta: é certo que “Senhor” é “Deus” na bíblia, já não se pode dizer o mesmo de “senhora”, senão a genitora do inventor desta manobra também seria uma deusa, por respeitosamente a chamarmos de senhora. E que fique claro para os enganadores: Paulo insurgiu-se contra a deusa pagã Diana, que não era “senhora” mas “deusa”. Dizia o enganador: Quando a jornalista o interroga sobre que ponto Fátima foi uma bandeira do anticomunismo, o padre Mário contesta que «em 1917 nunca se fala na Rússia e isso corresponde à Fátima nº 1. Depois vem a Fátima nº 2, em que a Lúcia foi sequestrada de noite e sem ninguém saber foi enviada para Leiria, depois para o Porto e Tuy, e só a partir de 1935 é que Lúcia, influenciada pelo seu confessor e bispo, escreve as suas memórias. Em 1917 não havia Rússia comunista, mas em 1935 já havia e assim se fala do comunismo na Rússia. A verdade é muito dura". Resposta: A verdade é muito dura, mas a mentira tem pernas curtas. Lemos na Enciclopédia Encarta: "A idéia de uma sociedade comunista surgiu no início do século XIX como resposta ao início desordenado do moderno capitalismo. Naquela época, o comunismo foi a base de uma série de afirmações utópicas; no entanto, fracassaram quase todas as experiências comunistas. Posteriormente, o termo passou a descrever a filosofia estabelecida por Karl Marx e Friedrich Engels no Manifesto comunista e o movimento que ajudaram a criar na Europa central. Desde 1917, aplica-se às pessoas que consideram que a Revolução Russa é um modelo a ser seguido por todos os marxistas. Ver União das Repúblicas Socialistas Soviéticas; Lenin, Vladimir Ilitch Ulianov; Josef Stalin". (Enciclopédia® Microsoft® Encarta 99. © 1993-1998 Microsoft) Como vemos o criador desta farsa desconhece completamente a história univeral. Dizia o enganador: Ainda sobre a questão de Fátima movimentar 12 milhões de pessoas por ano, o padre Mário responde que "Fátima movimenta multidões como as divindades antigas. É uma divindade que se alimenta das pessoas, ao contrário de Jesus que alimentava as pessoas". Resposta: aqui o enganador maliciosamente tenta elevar a mãe de Jesus a categoria de deusa, querendo colocá-la no lugar de Cristo. Nada melhor do que Lutero para orientá-lo, escreveu Lutero,: “A delicada mãe de Cristo sabe ensinar melhor do que ninguém - pelo exemplo de sua prática - como devemos conhecer, louvar e amar a Deus"... (introdução ao Magnificat, ano 1522). Dizia o enganador: Sobre o 3.º segredo de Fátima, ainda por revelar, ele disse que "o segredo mais bem guardado de Fátima é a sua fortuna. Caiem lá milhões e nunca se disse quanto e como é administrado. Pelas duas partes já conhecidas e que espremidas não dão nada, então o povo deve virar costas à 3.ª parte. Do ponto de vista cristão é impossível não revelar-se um segredo. Deus é o contrário, é o que se manifesta, é sua paixão revelar-se". Ao ser interrogado de ter assim tanta certeza, o padre Mário respondeu que "as minhas certezas vêm do Evangelho e da minha grande paixão por Jesus". Resposta: 1º- A Cáritas e a Opus Dei são as maiores instituições que empregam a caridade pelo mundo na face da terra, está explicado o malicioso fim que os enganadores deste texto tentaram dar as doações dos cristãos católicos. 2º- nem a Jesus, Deus revelou o segredo do fim do mundo. 3º- Qualquer católico bem informado, que nem precisa ser o “padre” MARIO NET dos protestantes sabe que este segredo era o atentado ao Papa no dia 13 de Maio ordenado pelos comunistas russos. Os jornais divulgaram amplamente esta notícia, só o ventríloquo do “padre” MARIO NET não ficou sabendo. Dizia o enganador: Depois disto, já dois importantes jornais levantaram dúvidas contra o milagre de Fátima. São eles o Semanário Expresso, de sábado 31 de Julho e o diário O Primeiro de Janeiro, de domingo 1 de Agosto. Resposta: Depois das estranhas mensãos pelos enganadores destes desconhecidos jornais, reuniram-se os teólogos protestantes e escreveram o “MANIFESTO DE DRESDEN” que atesta todos os milagres de Fátima, já visto nesta resposta. Dizia o enganador: Oremos para que o Senhor levante homens corajosos e capazes de desmascararem as doutrinas falsas que continuam a escravizar o nosso povo e a impedi-los de aceitarem as simples e preciosas verdades do "Evangelho, que é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê" (Romanos 1:16). Resposta: Nisso nós católicos concordamos, e aconselhamos que todos os protestantes assim como fizeram seus teólogos, leiam (AT 2,17) “E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos mancebos terão visões, os vossos anciãos terão sonhos”. Deste modo todos os protestantes voltarão para a unidade da Igreja de Cristo e abandonarão as dissensões dos que não servem a Cristo (Rm 16-17-18). Dizia o enganador: Autoria: Carlos Alves ( Refrigério 73) (O periódico Refrigério é o órgão oficial do Departamento de Comunicações da Comunhão de Igrejas de Irmãos em Portugal – CIIP) Resposta: como era de se esperar, o engodo só podia ter vindo de um periódico de seita, muito usado para ludibriar seus adeptos e limpar seus bolsos. Quanto a ida da “delegação indiana a Fátima”: Todos os povos de todas as culturas respeitam a Mãe de Deus, inclusive os luteranos e anglicanos. O modo dos escravos africanos, índios e povos indianos, venerarem a seu modo e conforme sua cultura a Deus, Jesus, Maria e os Santos não implica que a Igreja Católica de Cristo os venerem do mesmo modo errado ou correto. Há seitas que fazem “descarregos” e não crêem na Trindade. É sabido que a Igreja Católica ensina do modo certo desde os apóstolos. Nem José nem Maria expulsaram aos três reis magos pagãos que mesmo sendo de outros credos, o visitaram e trouxeram presentes de suas culturas para Jesus. Cai mais um castelo de areia da Disneylândia protestante. FIM DA FARSA. 

maFÁTIMA - 2 - O MILAGRE DO SOL - Sexta Aparição (13 de Outubro) O período que mediou entre a Quinta e a Sexta aparição foi de grande tensão para os pastorinhos. As pressões foram muitas e vinham de todos os quadrantes, políticos, religiosos, sociais e até familiares. A mãe da Lúcia previa que se não acontecesse o milagre prometido, a ira popular poderia levar a que os acontecimentos se precipitassem ao ponto de temer pela vida da sua filha e dos seus sobrinhos Francisco e Jacinta. Naquele dia, cerca de 70.000 almas estavam presentes na Cova da Iria, uns por devoção, outros por curiosidade e muitos na esperança de verem confirmada a farsa que tanto apregoavam. Chovia muito neste dia. Toda a multidão estava encharcada em água. Era cerca de meio-dia quando Lúcia mandou calar a multidão, "... já lá vem Nossa Senhora". Nossa Senhora renovou a vontade de ver construída naquele local da Cova da Iria uma capela em sua honra. Pediu que continuassem a rezar o terço todos os dias e garantiu que a guerra ia acabar. Ao despedir-se a virgem abriu as mãos e fê-las refletir no sol. Enquanto isto Lúcia gritava "Olhem para o sol". Entretanto sucediam-se uma série de visões com as imagens de São José com o menino Jesus e Nossa Senhora, Jesus com Nossa Senhora das Dores, Jesus abençoando o mundo e Nossa Senhora do Carmo. Ouve gritar "milagre, milagre". O sol teve movimentos bruscos, parou, para recomeçar a dançar. Subitamente pareceu separar-se do céu e cair em forma de bola de fogo sobre a multidão. As reações foram múltiplas e ouve mesmo quem perante a aflição, se confessasse em voz alta. Por ultimo, quando o milagre de sol terminou o espanto foi geral, as pessoas tinham a roupa totalmente seca... a água tinha desaparecido... Nossa Senhora cumpriu a sua promessa. 

maHONRAR PAI E MÃE - "Há uma raça que amaldiçoa seu pai e que não abençoa sua mãe". (Provérbios 30, 11) 

maIMACULADA - 1 - DEUS MEU SALVADOR - S. Bernardino de Sena ensina que Jesus veio para salvar a todos, inclusive Maria. Contudo, há dois modos de remir: levantando o decaído ou preservando-o da queda. Este último modo Deus aplicou a Maria. 

maIMACULADA - 2 - KEKHARITOMENE - Quanto a Cristo a Bíblia diz que em tudo foi semelhante ao homem, exceto no pecado, logo a regra de que todos pecaram não é tão geral como a tomam os protestantes. Logo, se houve exceção para Cristo por que não haveria para sua mãe? A Bíblia não fala que Cristo entrou no mundo através de um santuário PERFEITO (Hebreus 9,11)? O arcanjo São Gabriel a chama de a "KEKHARITOMENE" (São Lucas 1,28), expressão intraduzível em nossa língua por uma palavra e que pode ser entendida como: "Tu que és e sempre foste plena da graça de Deus". Ora, onde há a plenitude de graça não restará lugar para o pecado. Na Bíblia somente três apareceram com a plenitude da graça, portanto sem pecado: Cristo, o autor da graça, a Igreja, que recebe a plenitude de Cristo e Maria, chamada, na Bíblia, como a KEKHARITOMENE. Nestes três não há pecado Pode a Igreja errar quando nos propõe uma verdade de fé? A Igreja não é a "carne da carne" (Gen 2,23) de Cristo (Ef 5,29) "a esposa imaculada, sem mancha" de erro e de pecado (Ef 5,27 cf.Apoc.19,7; 21,2 e 9; 22,17. Ela é "a esposa do cordeiro")? Não é ela a plenitude de Cristo (Ef 1,23)? O "corpo do qual ele é a cabeça" (Col 1,18; Ef 1,23; 4, 15)? Não é esta pessoa formada de uma multidão humana que Cristo desposou, e, que ele ama como a si mesmo (Ef 5,25; 5,29-30)? Não é ela "a coluna inabalável e sustentáculo da verdade" (1 tim 3,15)?O Espírito de Verdade que nela desceu para "conduzi-la à verdade completa" (João 16,13), nela não habita desde Pentecostes e para sempre (João 16,7; 1 Cor 3,16; 6,19)? Cristo não prometeu estar com ela até o fim do mundo (Mateus 28,20)? É à pessoa comum da Igreja, em outras palavras, é à Igreja tomada em sua unidade e sua universalidade, que esta promessa foi feita. Quando, pois, a Igreja fala, CRISTO É FIADOR DE SUA PALAVRA. Tudo o que a pessoa da Igreja nos transmite como revelado por Deus é, tal qual ela o diz, eternamente verdadeiro. 

maIMACULADA - 3 - ORÍGENES - "Maria, a Virgem- Mãe do Filho único de Deus, é proclamada a digna Mãe deste digno Filho, a Mãe Imaculada do Santo e Imaculado, sendo ela única, como único é o seu próprio Filho." (Orígenes, Séc. III) 
maIMACULADA - 4 - SANTO HIPÓLITO - "O Cristo foi concebido e tomou o seu crescimento de Maria, a Mãe de Deus toda pura (..) Como o Salvador do mundo tinha decretado salvar o gênero humano, nasceu da Imaculada Virgem Maria"(São Hipólito, mártir, Séc. III). 
maIMACULADA - 5 - SANTUÁRIO - "Porém, já veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito, não construído por mãos humanas (isto é, não deste mundo)" (Hebreus 9,11). 

maIMACULADA - 6 - SÃO TIAGO MENOR - A TRADIÇÃO DESDE OS PRIMEIROS SÉCULOS - S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, prescreve a seguinte leitura, após ler uns passos do antigo e do novo testamento, e de umas orações: "Fazemos memória de nossa Santíssima, Imaculada, e gloriosíssima Senhora Maria, Mãe de Deus e sempre Virgem". O santo Apóstolo não se limita a isso, mas torna a sua fé mais expressiva ainda. Após a consagração e umas preces, ele faz dizer ao Celebrante: "Prestemos homenagem, principalmente, a Nossa Senhora, a Santíssima, Imaculada, abençoada acima de todas as criaturas, a gloriosíssima Mãe de Deus, sempre Virgem Maria. E os cantores respondem: É verdadeiramente digno que nós vos proclamemos bem-aventurada e em toda linha irrepreensível, Mãe de Nosso Deus, mais digna que os querubins, mais digna de glória que os serafins; a vós que destes à luz o Verbo divino, sem perder a vossa integridade perfeita, nós glorificamos como Mãe de Deus" (S. jacob in Liturgia sua). O evangelista S. Marcos, na Liturgia que deixou às igrejas do Egito, serve-se de expressões semelhantes: "Lembremo-nos, sobretudo, da Santíssima, intemerata e bendita Senhora Nossa, a Mãe de Deus e sempre Virgem Maria". Na Liturgia dos etíopes, de autor desconhecido, mas cuja composição data do primeiro século, encontramos diversas menções explícitas da Imaculada Conceição. Umas das suas orações começa nestes termos: Alegrai-vos, Rainha, verdadeiramente Imaculada, alegrai-vos, glória de nossos pais. Mais adiante, é pela intercessão da Imaculada Virgem Maria que o Sacerdote invoca a Deus em favor dos fiéis: "Pelas preces e a intercessão que faz em nosso favor Nossa Senhora, a Santa e Imaculada Virgem Maria.". Terminamos o primeiro século com as palavras de Santo André, apóstolo, expondo a doutrina cristã ao procônsul Egeu, passagem que figura nas atas do martírio do mesmo santo, e data do primeiro século: "Tendo sido o primeiro homem formado de uma terra imaculada, era necessário que o homem perfeito nascesse de uma Virgem igualmente imaculada, para que o Filho de Deus, que antes formara o homem, reparasse a vida eterna que os homens tinham perdido" (Cartas dos Padres de Acaia). A doutrina da Imaculada Conceição era, pois, conhecida no primeiro século e por todos admitida. A esse respeito, nenhuma contradição se levantou na primitiva Igreja. No século segundo, os escritos dos Santos Padres falam da Imaculada Conceição como um fato indiscutível. Entre os escritores e oradores deste século, contamos: S. Jusitino, apologista e mártir; Tertuliano e Santo Irineu. No terceiro século, existem também textos claros em defesa da Imaculada Conceição. mas em menor quantidade. Santo Hipólito, bispo de Porto e mártir, escreveu em 220: "O Cristo foi concebido e tomou o seu crescimento de Maria, a Mãe de Deus toda pura". Mais além ele diz: "Como o Salvador do mundo tinha decretado salvar o gênero humano, nasceu da Imaculada Virgem Maria". Orígenes, que viveu em 226 e pareceu resumir a doutrina e as tradições de sua época, escreveu: "Maria, a Virgem-Mãe do Filho único de Deus, é proclamada a digna Mãe deste digno Filho, a Mãe Imaculada do Santo e Imaculado, sendo ela única, como único é o seu próprio Filho." Em um dos seus sermões sobre S. José, Orígenes faz o mensageiro celeste dizer ao santo: "Este menino não precisa de Pai na terra, porque tem um pai incorruptível no céu; não precisa de Mãe no Céu, porque tem uma Mãe Imaculada e casta na terra, a Virgem Bem-aventurada, Maria". No século quarto, aparecem inúmeros escritos sobre a Imaculada Conceição, cada vez mais explícitos e em maior número. Temos diante de nós as figuras incomparáveis de Santo Atanásio, de Santo Efrem, de S. Basílio Magno, de Santo Epifânio, e muitos outros, que constituem a plêiade gloriosa dos grandes Apóstolos do culto da Virgem Santíssima e, de modo particular, de sua Imaculada Conceição. Um trecho de Lutero, para mostrar que nem ele se atreveu a contestar a Imaculada Conceição: "Era justo e conveniente, diz ele, fosse a pessoa de Maria preservada do pecado original, visto o filho de Deus tomar dela a carne que devia vencer todo pecado". (Lut. in postil. maj.). 

maLATRIA - Renato [debatedor protestante]: "CARO OSWALDO MARIÓLATRA......" 
======================================== 

Resposta: - Nenhum motivo para chamar-me assim. Para que aconteça algo chamado LATRIA, é necessário, primeiro, que eu admita que o objeto de minha devoção seja DEUS o que não se dá com os católicos com referência À “MATER DEI” (MÃE DE DEUS). Todavia, como os evangélicos dizem ter muito respeito (veneração) à “irmã Maria” e, como acreditam que ela é uma divindade, com algum esforço e alguma pitada de vontade, talvez você possa ser, com mais propriedade, chamado de MARIÓLATRA. 
maLOUVOR - "... porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações" (São Lucas 1,48) 
maMÃE DE DEUS - 1 - A palavra "Senhor" era aplicada a Deus e isto podemos notar pelo contexto em que ela aparece. Por exemplo: "Ela [Sara] pôs-se a rir secretamente: “Velha como sou, disse ela consigo mesma, conhecerei ainda o amor? E o meu senhor também é já entrado em anos.” (Gênesis 18,12) Pelo exposto se deduz que Sara se referia a Abraão seu esposo. Veja, entretanto, este outro versículo logo a seguir: "Abraão continuou: “Não leveis a mal, se ainda ouso falar ao meu Senhor, embora seja eu pó e cinza." (Gênesis 18,27) Nesta altura Abraão já descobrira que não se tratava de um simples viajante e sim de Deus ou pelo menos de um anjo que o estava representando e que falava em seu nome. Portanto a palavra "Senhor" aqui significa "Deus". Veja este outro exemplo: "O Senhor disse a meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos por escabelo dos teus pés (Sl 109,1)? " (São Mateus 22,44) No exemplo acima podemos notar que o profetga Davi se refere ao "Pai" como "o Senhor" e ao "Filho" como "meu Senhor". Finalmente vemos mais este exemplo proferido por Izabel que, segundo o Evangelho, "estava cheia" do Espírito Santo: "Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? " (São Lucas 1,43) Note que a palavra "Senhor" se refere a Cristo que é Deus, portanto aqui ela significa "Deus" seguindo-se que a expressão do Espírito Santo dita por Izabel 'MÃE DE MEU SENHOR' significa realmente 'MÃE DE MEU DEUS'. 

maMÃE DE DEUS - 2 - E INTERCESSORA - Em 1917 a Biblioteca John Ryland, de Manchester (Inglaterra) adquiriu no Egito um pequeno fragmento de papiro de 18 x 9,4 cm (Ryl. III,470), cujo conteúdo foi identificado em 1939; é o texto de uma oração dirigida a Maria Santíssima invocada como Theotókos (=Mãe de Deus) no séc. III. Quando em 431 (séc. V) o Concílio de Éfeso proclamou Maria Theotókos, fez eco a uma tradição cujo primeiro termo conhecido remonta a Orígenes (243 dC). 'Sob a tua misericórdia nos refugiamos, Mãe de Deus! Não deixes de considerar as nossas súplicas em nossas dificuldades. Mas livra-nos do perigo, única casta e bendita! ' " "Sub tuum praesidium confugimus, sancta Dei Genetrix; nostras deprecationes ne despicias in necessitatibus, sed a periculis cunctis libera nos semper, Virgo gloriosa et benedicta". Já no século II era dirigido a Maria e foi objeto de definição conciliar em Éfeso em 431. O texto primitivo do qual derivam as diversas variações litúrgicas (copta, grega, ambrosiana e romana) é o seguinte: "Sob a asa da vossa misericórdia nós nos refugiamos, Theotókos; não recuse os nossos pedidos na necessidade e salva-nos do perigo: somente pura, somente bendita". 

maMÃE DE DEUS - 3 - IRENEU - "A Virgem Maria... sendo obediente à sua palavra, recebeu do anjo a boa nova de que ela daria à luz Deus" Santo Irineu, Bispo de Lion, Discípulo de Policarpo, 180 d.C. - Contra Heresias) 
maMÃE DE DEUS - 4 - SANTO ALEXANDRE - "Jesus Cristo .. teve um corpo gerado, não em aparência, mas verdadeiramente, derivado da Mãe de Deus" (Santo Alexandre, morto em 328 - antes do concílio de Êfeso de 431) 
maMÃE DE DEUS - 5 - SANTO EFRÉM - "A obra prima da Sabedoria de Deus tornou-se a Mãe de Deus" Santo Efrém que viveu na Síria em 373 (antes do concílio de Éfeso). 
maMÃE DE DEUS - 6- SÃO LUCAS - "Donde a mim esta dita de que a MÃE DE MEU SENHOR venha ter comigo?" (Luc. 1, 43). 
maMÃE DE DEUS - 7 - SILOGISMO: - A PALAVRA "SENHOR" DESIGNA DEUS - A palavra "Senhor" é reservada ciosamente para designar a Deus uma vez que os judeus, o quanto possível, se abstinham de pronunciar seu nome: 

1) - (Deuteronômio 4,35) "Tu foste testemunha de tudo isso para que reconheças que O SENHOR É DEUS, e que não há outro fora dele. 

2) - (Deuteronômio 4,39) "Sabe, pois, agora, e grava em teu coração que O SENHOR É DEUS, e que não há outro em cima no céu, nem embaixo na terra".
3) - (IReis-18,21) "Elias, aproximando-se de todo o povo, disse: Até quando claudicareis dos dois pés? Se O SENHOR É DEUS, segui-o, mas se é Baal, segui a Baal! O povo nada respondeu".
ORA - JESUS É CHAMADO COMO "O SENHOR" - Quando eventualmente, em atitude de grande respeito se chamava alguém de "senhor" ficava bem claro que esta palavra assumia outro sentido que não o de divindade; quando, porém, se refere a Jesus se nota claramente que a palavra carrega um sentido muito mais elevado conforme exemplos que seguem: 

1) - (Romanos-10,9) "Portanto, se com tua boca confessares que JESUS É O SENHOR, e se em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo".
2) - (Icoríntios-12,3) "Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: JESUS É O SENHOR, senão sob a ação do Espírito Santo". 

3) - (Hebreus-7,22) "E esta aliança da qual JESUS É O SENHOR (DEUS), é-lhe muito superior". 
SEGUE-SE que – MARIA, sendo mãe de Jesus que é O SENHOR (DEUS), é também MÃE DO SENHOR conforme declara o Espírito Santo por boca de Izabel: (São Lucas 1,43) "Donde me vem esta honra de vir a mim A MÃE DE MEU SENHOR?". 

maMÃE NOSSA - O RESTO DE SEUS DESCENDENTES - "Enfurecido por causa da mulher, o Dragão foi então guerrear contra o RESTO DE SEUS DESCENDENTES, os que observam os mandamentos de Deus e mantêm o Testemunho de Jesus." (Ap 12,17) NOTA: A descendência da mulher é Jesus o RESTO DE SEUS DESCENDENTES, isto é, irmãos de Jesus e, portanto filhos da mesma MULHER somos nós Católicos que a temos por mãe, guardamos os mandamentos de Deus e mantemos e testemunho de Jesus. 

maMANIFESTO DE DRESDEN - Ver acima "maDRESDEN"


maONISCIENTE, ONIPOTENTE, ONIPRESENTE - Maria Santíssima não é nem onipotente, nem onipresente, nem onisciente. Alguns homens, porém, têm muito poder e, nem por isto, são onipotentes; qualquer pessoa pode estar em infinitos lugares ao mesmo tempo e, nem por isto, é onipresente; alguns homens são muito sábios e, nem por isto, são oniscientes. Infinitos lugares???? Explico: Deitado em algum lugar o indivíduo está em infinitos lugares do espaço "limitado" pela extensão de seu corpo, pois, por um pequeno espaço se podem passar infinitas linhas não superpostas. Os bem-aventurados serão também semelhantes a Deus. Semelhantes e não iguais a Deus: "...o que seremos ainda não se manifestou. Sabemos que por ocasião desta manifestação seremos semelhantes a ele [Deus], porque o veremos tal como ele é" (1Jo 3,2) A verdadeira doutrina cristã, que nos foi revelada, é lógica e não contém contradições 
maORAÇÃO - SUB_TUUM - "Sub tuum praesidium confugimus Sancta Dei Genitrix. Nostras deprecationes ne despicias in necessitatibus nostris, sed a periculis cunctis libera nos semper, Virgo gloriosa et benedicta". 
maPATRÍSTICA - A IGREJA SEMPRE HONROU A MÃE DE DEUS - "E, para concluir, e demonstrar-lhe que sempre na Igreja se honrou a Mãe de nosso único Deus Jesus Cristo, cito-lhe o discurso de São Cirilo de Alexandria no Concílio de Éfeso para combater o herege Nestório, o negador da dignidade de Maria. "Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve, Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu de ti; mãe, por virtude que cobriste com panos e nutriste em teu seio; serva, por aquele tomou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta, porque concebesse sem concurso de varão, e foi divino teu parto." "Salve Maria, templo santo, como o chama o profeta Daví, quando diz: "O teu templo é santo e admirável em sua justiça" (SlLXIV, 6) "Salve Maria, criatura mais preciosa da criação; salve, Maria, puríssima pomba; salve, Maria, lâmpada inextinguível; salve, porque de ti nasceu o sol de justiça". "Salve, Maria, morada da infinitude, que encerraste em teu seio o Deus infinito, o Verbo unigênito, produzindo sem arado e sem semente a espiga incorruptível!" "Salve, Maria, mãe de Deus, aclamada pelos profetas, bendita pelos pastores, quando, com os anjos, cantaram o sublime hino de Belém: "Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens de boa vontade" (Lc. II, 14). Salve, Maria, Mãe de Deus, alegria dos anjos, júbilo dos arcanjos que te glorificam no céu!" "Salve, Maria, Mãe de Deus: por ti adoraram a Cristo os Magos guiados pela estrela do Oriente; salve, Maria, Mãe de Deus, honra dos apóstolos!" Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem João Batista, ainda que no seio de sua mãe, exultou de alegria, adorando como luzeiro a perene luz!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, que trouxesse ao mundo graça inefável, da qual diz São Paulo: "apareceu a todos os homens a graça de Deus salvador" (Tt. II, 1). "Salve, Maria, Mãe de Deus, que fizesse brilhar no mundo aquele que é luz verdadeira, a nosso Senhor Jesus Cristo, que diz em seu Evangelho: "Eu sou a luz do mundo" (Jo. VIII, 12). "Deus te salve, Mãe de Deus, que alumiaste aos que estavam nas trevas e sombras de morte; porque o povo que jazia nas trevas viu uma grande luz (Is. IX,2), uma luz não outra senão Jesus Cristo, nosso Senhor, luz verdadeira que ilumina todo homem que vem a esse mundo (Jo. I, 9). "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem se apregoa no evangelho: "bendito que vem em nome do Senhor" (Mt. XXI, 9), por quem se encheram de igrejas nossas cidades, campos e vilas ortodoxas!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o vencedor da morte e o destruidor do inferno!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o autor da criação e o restaurador das criaturas, o Rei dos Céus!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem floresceu e refulgiu o brilho da ressurreição!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem luziu o sublime batismo da santidade no Jordão!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem o Jordão e o batista foram santificados e o demônio foi destronado!" "Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem é salvo todo espírito fiel!" (São Cirilo de Alexandria, PG. LXXVII, 1029 -1040, apud C. Folch Gomes, Antologia dos Santos Padres, ed. Paulinas, São Paulo, 1973, pp.389-390). 
maRAINHA - Há uma palavra no aramaico, "Gebirah" que quer dizer "Rainha Mãe". Próximo ao trono do Rei estava um segundo trono. Muitos assumiriam que o segundo trono pertenceu à esposa do Rei. O Gebirah era uma posição oficial, que todo o mundo ( Jesus e os discípulos incluíram) era completamente familiar. O papel dela era como defensora das pessoas; qualquer um que teve uma petição ou buscou uma audiência com o Rei fez assim por ela. Ela era uma intercessora, que apresentava os desejos e preocupações das pessoas ao Rei. Isto não insinua que o Rei era inabordável, ou que as pessoas tinham medo ou eram incapaz de falar com ele. significa que o Rei honrou sua mãe e levou os pedidos dela em consideração. As pessoas, sentiam-se próximos, como se fossem seus filhos. Este papel é mencionado em: (2 Reis 10,13) " Nós somos irmãos de Ocosias, responderam eles. Descemos para fazer uma visita aos filhos do rei e aos filhos da rainha." O lugar específico dela de honra e intercessão, é ilustrado dramaticamente na passagem seguinte de (1 Reis 2, 13-21) “Adonias, filho de Hagit, foi ter com Betsabé, mãe de Salomão. Ela disse-lhe: vens como amigo? Sim disse ele, preciso falar-te “fala” ele continuou! “Sabes que o reino era meu, e que todo o Israel me considerava como o seu futuro Rei. Mas o trono foi transferido a outro, passando para meu irmão, porque o Senhor lho deu. Tenho a esse respeito um pedido a fazer-te; não mo recuses – “Fala” “Pede ao Rei Salomão, que nada te recusa, que me dê Abisag, a sunanita, por mulher” “Está bem, respondeu Betsabé, falarei por ti ao Rei”. Betsabé foi, pois, ter com o Rei para falar-lhe em favor de Adonias. O Rei levantou-se para ir-lhe ao encontro, fez-lhe uma profunda reverência e sentou-se no trono. Mandou colocar um trono para sua mãe, e ela sentou-se à sua direita: “Tenho um pequeno pedido a fazer-te, disse ela; não mo recuses” – “Pede, minha mãe, respondeu o Rei, porque nada te recusarei”. Disse Betsabé: “Peço-te que Abisag, a sunanita, seja dada por mulher ao teu irmão Adonias.” São de grande importância, as observações seguintes: 1. Adonias assumiu que a mãe rainha chegaria ao Rei ao lado dele; Adonias confiou nela. 2. A reação do Rei é notável: ele se levanta e faz uma profunda homenagem a ela. 3. Um trono foi provido para ela, e ela sentou a seu lado. 4. É dada ênfase como intercessora, e pela repetição da idéia que o rei não a recusará. 
maRAÍNHA E MÃE - 1Reis 15,13: "Até Maaca, sua avó, depôs da dignidade de rainha-mãe". 2Reis 10,13: "Somos irmãos de Acazias, e descemos a saudar os filhos do rei e os filhos da rainha-mãe". Jeremias 13,18: "Dize ao rei e à rainha-mãe: humilhai-vos, e assentai-vos no chão". maRAÍNHA E MÃE - "Foi, pois, Bate-Seba ter com o rei Salomão, para falar-lhe por Adonias. E o rei se levantou a encontrar-se com ela, e se inclinou diante dela; então, assentando-se no seu trono, mandou que pusessem um trono para a rainha-mãe; e ela se assentou à sua direita" (I Reis 2:19) 
maRESPOSTA BEM DADA - COLHIDA NO ANTIGO GLOBOFÓRUM ANTE A UMA INVESTIDA DESRESPEITOSA CONTRA MARIA SANTÍSSIMA - "Autor: RARARA em 22/07/2004, 15:16:05 (e-mail não disponível) Fácil, entender; quem tem mãe prostituta, acostumado a vê-la com fregueses todos os dias e noites, brigando, roubando, bebendo, sendo prêsas, não tem como respeitar nem a própria, tampouco a dos outros, mesmo que seja a do Senhor. Gostam de "cultos" onde prossegue a putaria que passaram vendo ao longo das vidas, tais como gritos histéricos do pastor, uivos, roladas no chão, "milagres" para otários etc... Não é culpa dos porcostantes, sim das prostitutas que os pariram. E posteriormente, com bíblias na mão vão visitá-los nos presídios, onde já estiveram também, para pregar a moral que o pastor mandou, mas que nunca tiveram nem nos mais remotos instintos e pensamentos. E o número de porcostantes aumenta, nos prostíbulos, penitenciárias, favelas, cortiços, centros de tratamentos para drogados e locais do mesmo naipe diversos. É a religião do primeiro mundo, dos países ricos, sem dúvida. 
maSANTUÁRIO - PERFEITO - "Porém, já veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito, não construído por mãos humanas (isto é, não deste mundo)" (Hebreus 9,11) 
maSEMITISMO - QUE HÁ ENTRE MIM E TI? - (I Reis 17,18) A mulher disse a Elias: QUE HÉ ENTRE NÓS DOIS, homem de Deus? Vieste, pois, à minha casa para lembrar-me os meus pecados e matar o meu filho? 
maSEMPRE VIRGEM - 1 - ARQUEOLOGIA - Poderia se chamar PRIMOGÊNITO a um filho que não tivesse nem irmã nem irmão mais jovem (filho único). Como exemplo disso tenha-se em conta a descoberta de uma inscrição sepulcral do ano 5 a.C. [antes de Cristo] encontrada na cidade de Tell el-Jedouhieh (Egito) no ano de 1922, onde se lê que uma jovem mulher chamada Arsinoé morreu “nas dores do parto do seu filho primogênito” 
maSEMPRE VIRGEM - 2 - CONCÍLIO DE ÉFESO (431) - E o Concílio de Éfeso ao condenar o herege Nestório que negava a maternidade divina de Nossa Senhora declarou: "Canon 1: Se alguém não confessa que Deus é conforme a verdade o Emanuel, e que por isso a Santa Virgem é a mãe de Deus (pois deu à luz carnalmente ao Verbo de Deus feito carne) seja anátema.( Concílio de Éfeso, Anatematismos e e capitulo de Cirilo contra Nestório, em 431. Denzinger 113). 

maSEMPRE VIRGEM - 3 - DIVERSAS RESPOSTAS - José Luís [debatedor católico]: 
Como é difícil aos evangélicos encararem as contradições que aparecem na bíblia quando se usam a literalidade do "sola scriptura". Na ânsia de provarem que Maria teve outros filhos esbarram em contradições que acabam em mostrar justamente o contrário.

Vamos enumerar para facilitar. 

1) Jesus não poderia ser irmão de TIAGO (Gl 1,19) simplesmente porque no mesmo texto esse TIAGO é apresentado com sendo um dos apóstolos e estes eram filhos de outros pais (Mt 10,2-3). 

A alegação de "um terceiro" Tiago não se sustenta também pelo fato que no texto indicado (Gl 1,19) fica claro que era um dos apóstolos e não existe registro em lugar nenhum de um terceiro Tiago sem ser eleito APÓSTOLO. Portanto, esse argumento não se sustenta. 

2) A exegese que fizemos mostra claramente que os "irmãos" mencionados não eram FILHOS de Maria. Aliás isso não existe em lugar nenhum.

Alem disso, o argumento católico é que poderiam ser parentes (PROVAVELMENTE primos), baseados que na língua ARAMAICA que FALAVAM esta era pobre e não havia esse termo. O texto do evangelho foi escrito em Grego mas TRANSCREVENDO um dialogo em ARAMAICO. Além disso, nem todos os evangelhos foram originariamente escritos em Grego. O Evangelho de Mateus foi na sua origem, provavelmente escrito em ARAMAICO. Outro argumento jogado no lixo. 

3) O texto da biblia NÃO diz que ISABEL era PRIMA de Maria. O texto grego diz que Isabel ERA Parente. O termo PRIMA aparece apenas nas biblias EVANGÉLICAS, e essa FALSIFICAÇÃO das escrituras foi justamente para TENTAR desacreditar a doutrina católica. Outro argumento descartado. 
4) A argumentação que usam utilizando Lucas 2, 7 alegando que Jesus foi "primogênito"de Maria e não "unigênito" cai quando se pega o texto de Hebreus 1,6 onde Jesus é chamado de Primogênito do pai. 
maSEMPRE VIRGEM04 - EXEGESE - "Não a conheceu [José] até o dia que ela deu a luz um filho" (Mt 1,25). "... A razão de escrever esta exegese é somente para estabelecer um conceito teológico sobre a virgindade dela e mostrar que esse versículo não mostra de forma alguma que ela teve outros filhos depois de dar à luz Jesus. Não costumo fazer exegese pela Internet (é muito complexo e pode levar a mal-entendidos), mas como seus respeitoso texto exigiu, falarei sobre o versícculo de Mt 1, 25 e para os que estão interessados em se esclarecer, segue abaixo uma resumida exegese do referido versículo. Mateus 1, 25 a) em grego: kai ouk eginôsken autên eôs ou eteken ton uion autês ton prôtotokon kai ekalesen to onoma autou iêsoun (Alan-Nestlé) b) em latim: et non cognoscebat eam, donec peperit filium, et vocavit nomen eius Iesum (Neo-vulgata) c) em inglês: And knew her not till she had brought forth her firstborn son: and he called his name JESUS. (KJV) d) em português: e não a conheceu enquanto ela não (até que ela) deu à luz um filho; e pôs-lhe o nome de JESUS (JFAlmeida) Os termos EÔS OU (grego), DONEC (latim), AD KI (hebraico) e TILL (inglês) no contexto acima são traduzidos por ATÉ QUE (português). onde se lê: “E José não a conheceu até que ela deu à luz ...”. Os protestantes concluem erradamente que “conheceu” depois. Ignoram que a expressão "até que" (“éoos óu”, do grego, "ad ki" do hebraico e “donec” do latim) tem um sentido especial em várias passagens da Bíblia em proposições negativas - que é o caso dessa objeção - em que entra a expressão “até que”. Cf. Gên. 3, 19; Deut. 7, 24; 2 Sm. 6, 23; 1 Reis, 5,3; Is. 22, 14; Sab. 10, 14; Sal. 111,8; 70,18. Dois exemplos: “(O justo) não temerá até que (ad ki) veja confundidos os seus inimigos” (Sal. 111,8). Ou seja: Se não temeu antes, não temerá depois. - “Michol não teve filhos até que (ad ki) morreu” (2 Sm. 6, 23); é claro o sentido: nunca teve filhos. O mesmo nos outros exemplos. Assim, em Mt. 1,25 temos, por paridade: E José não a conheceu depois. O sentido exato é: “Ela deu à luz sem que (éoos óu) José a tivesse conhecido”, como nos exemplos acima. É não só a afirmação explícita da concepção virginal de Cristo, é também a afirmação implícita da perpétua virgindade de Maria Santíssima. Ou, ao menos, não se pode concluir nada, em nome da Bíblia, sobre o depois iniciado com o “até que” de Mt. 1, 25. E os protestantes erram outra vez... Nota: Às vezes, edições mais recentes da Bíblia substituem o "até que” por “a fim de que”, “sem que”, “sem”, "enquanto não", ou algo semelhante. Mas o caso é sempre o mesmo. Espero com isso fazer vocês entenderem que exegese não é algo simples de se fazer. Às vezes eu lamento o fato de os protestantes interpretarem um texto bíblico do jeito que lhes convém e lhes agrada sem respeitar as técnicas de hermenêutica e exegese. Essa mania só causa dissensões. Foi o caso recente em que eu vi neste forum um grupo de protestantes discutirem entre si sobre o "batismo de crianças" defendido por um membro da Igreja Metodista - Ninguém se entendia". Texto produzido por um ex-Batista apelidado de "TEÓLOGO CRISTÃO" 

maSEMPRE VIRGEM - 5 - FIGURA DE MARIA - "O Senhor disse-me: Este pórtico FICARÁ FECHADO. Ninguém o abrirá, ninguém aí passará, porque o Senhor, Deus de Israel, aí passou; ele permanecerá fechado. O Príncipe, entretanto, enquanto tal, poderá aí assentar-se para tomar sua refeição diante do Senhor." (Ez 44,2-3) 
maSEMPRE VIRGEM - 6 - FILHOS DE MARIA? - Quem eram Tiago, José, Judas e Simão? Explicação: A Mãe de Jesus tinha uma prima ou parente próximo que se chamava também Maria, casada com Cleófas. Tiago e José eram filhos de Cleófas com a parenta de Nossa Senhora, que se chamava Maria. Judas era Irmão de Tiago. De fato lemos: “Judas irmão de Tiago”. Logicamente todos eles eram primos de Jesus, ou parentes próximos, como Simão pelo mesmo motivo. Há muitos exemplos na Bíblia em que os parentes próximos são chamados de irmãos: “Disse Abraão a Lot: Peço-te que não haja rixas, pois somos irmão” (Gênesis 13,8)- Abraão não era irmão de Lot, mas tio (Gênesis 12,5). “Eleazar morreu e não teve filhos, mas filhas e estas se casaram com os filhos de Cis, seus irmãos” (1 Crônicas 23,22)- As filhas de Eleazar eram primas dos filhos de Cis. Conferir mais em (Êxodo 2,11) (Gênesis 9,6) (Mateus 5,21-22;23,8) (1 Cor15,6). Agora vamos para o bom senso: Se Jesus tivesse irmãos, porque eles não compareceram na crucificação? Porque Jesus entrega sua mãe aos cuidados de João? Concluindo: Tenha-se em conta que Maria é chamada “Mãe de Jesus” e nunca “mãe dos irmãos de Jesus”. A família de Nazaré aparece apenas com três pessoas: Jesus, Maria e José. Aos doze anos, Jesus, vai ao templo exclusivamente com seu pai e sua mãe. 
maSEMPRE VIRGEM - 7 - IRMÃOS DO SENHOR1 - Ora, a Sagrada Escritura nos dá claros indícios de os supostos “irmãos de Jesus”, não eram filhos da mãe de Jesus (Maria), mas, parentes em sentido amplo. A palavra grega ADELPHOI, que nos Evangelhos é traduzida por “irmãos”, é equivalente ao vocábulo bíblico e semita “AH” que significa “parentesco em geral”,tanto em aramaico como em hebraico o termo “AH” não designa somente os filhos dos mesmos genitores, mas também os primos ou parentes mais distantes, devido a pobreza vocabular dessas línguas, com pode ser observado em Gênesis 13,8-14; 29,12.15; 31,23; I Crônicas 23,21-23; II Crônicas 36,10; II Reis 36,10; I Samuel 20,29; Juizes 9,23. Para não me alongar apresento abaixo apenas um texto, os outros podem ser lidos na Bíblia. “Abrão disse a Lot: “Rogo-te que não haja discórdia entre mim e ti, nem entre nossos pastores, pois somos irmãos. Eis aí toda a terra diante de ti; separemo-nos. Se fores para a esquerda, eu irei para a direita; se fores para a direita, eu irei para esquerda.” Lot, levantando os olhos, viu que a toda a planície de Jordão era regada de água (o Senhor não tinha ainda destruído Sodoma e Gomorra) como o jardim do Senhor, como a terra do Egito ao lado de Tsoar Lot escolheu toda a planície do Jordão e foi para o oriente. Foi assim que se separam um do outro. Abrão fixou-se na terra de Canaã, e Lot nas cidades da planície, onde levantou suas tendas até Sodoma. Ora, os habitantes de Sodoma eram perversos, e grandes pecadores diante do Senhor.” (Gênesis 13,8-14) OBS: Abraão era tio e não irmão de Lot. Sobre essa questão diz Santo Agostinho: “Quando vocês ouvirem falar dos “irmãos do Senhor”, pensem logo que se trata de algum parentesco que os une a Maria, sem imaginar ter ela tido outros filhos.”(Comentário do Evangelho de João XXVIII,3). “O hábito de nossa Escritura santa, com efeito, é de não restringir esse nome de “irmãos” unicamente aos filhos nascidos do mesmo homem e da mesma mulher... É preciso penetrar o sentido das expressões empregadas pela Sagrada Escritura. Ela tem sua maneira de dizer. Possui sua linguagem própria. Quem ignora essa linguagem pode ficar perturbado e perguntar-se: Então, o Senhor tem irmãos? Será que Maria teve ainda outros filhos? Não! De modo algum! ... Qual é, pois, a razão de ser da expressão “irmãos do Senhor”? Irmãos do Senhor eram os parentes de Maria... Como se demonstra isso? Pela própria Escritura, que chama, por exemplo, Lot de irmão de Abraão (Gen 13,8 e 14,14). E ele era tio de Lot, e, todavia, chamam-se ambos de irmãos, unicamente por serem parentes. Também Labão era tio de Jacó, por ser irmão de Rebeca, esposa de Isaac. Lede a Escritura e vereis que tio e sobrinho tratavam-se de irmãos.” (Comentário do Evangelho de João X,2) 

maSEMPRE VIRGEM - 8 - IRMÃOS DO SENHOR2 - Sao sete os textos do Novo Testamento que mencionam irmaos de Jesus: Mc 6, 3; Mc 3, 31-35; Jo 2, 12; Jo 7, 2-10; At 1, 14; Gl 1,19; 1 Cor 9, 5. Conforme Mc 6, 3 e Mt 13, 55, chamavam-se Tiago, Jose', Judas e Simao. O texto mais expressivo e' o de Mc 6, 3: "Tendo Jesus pregado em Nazare', sua cidade natal, os ouvintes, admirados, perguntavam donde Lhe provinha tanta sabedoria, e acrescentaram: 'Nao e' ele o carpin- teiro, o filho de Maria e irmao de Tiago, de Jose', de Judas, de Simao? E as suas irmas nao estao aqui entre nos?" E' um texto muito claro e muito precioso, porque nos diz ate' os nomes dos irmaos de Jesus. Mas exatamente isto nos ajuda, porque ha' outros textos que nos dizem quem sao estas pessoas citadas aqui como irmaos de Jesus. Vamos comparar este texto com os dois outros. Mt 27, 56 nos diz que, entre as mulheres que assistiram a crucifixao de Cristo, estavam "Maria Madalena e Maria mae de Tiago e de Jose' e a mae dos filhos de Zebedeu" (veja tambem Mc 15, 40: "Achavam-se ali tambem umas mulheres observando de longe. Entre as quais Maria Madalena, Maria, mae de Tiago Menor e de Jose', e Salome'...") Os dois textos acima, definem, que havia, aos pes da cruz, uma mulher chamada Maria e que era mae de Tiago e de Jose', os mesmos no- mes que sao chamados no Mc 6, 3 de irmaos de Jesus. Esta Maria era a mae de Jesus (esposa de Jose') ou uma outra Maria? A esta pergunta responde Sao Joao, capitulo 19, versiculo 25. Ve- jamos: "Estavam junto `a cruz de Jesus sua mae, a irma de sua mae, Maria esposa de Cleofas, e Maria Madalena". Os dois textos indicam que a mae de Tiago e de Jose' era a irma de Nossa Senhora. Segundo o testemunho de um mais antigo historiador da Igreja, do seculo II, Hegesipo, Maria (a irma de Nossa Senhora) e Cleofas, eram os pais de Tiago e Jose'; tinham um terceiro filho, Judas (nao Isca- riotes), o qual no inicio da sua epistola se apresenta como irmao de Tiago. Segundo Hegesipo, ainda, Cleofas era irmao de Sao Jose'. Quan- to ao Simao, o quarto dos "irmaos" de Jesus, Hegesipo o apresenta tambem como filho de Cleofas. Nao sao, portanto, os irmaos carnais de Jesus os quatro citados: Tiago, Jose', Judas e Simao, mas simplesmente primos de Jesus! Vejamos o seguinte esquema do parentesco de Jesus: 

' Heli (São Lucas 3, 23) é pai tanto de José quanto de Alfeu (Cleofas) ' 
Alfeu se casa com Maria que era tia ou prima de Jesus (São Marcos 15,4) 




maSEMPRE VIRGEM - 
9 - JUNTO À CRUZ -

I - RELATOS DE MATEUS, MARCOS E JOÃO


a) - SÃO MATEUS - 

"Entre elas se achavam Maria Madalena e Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu." (São Mateus 27,56)

1 - Maria, mãe de Jesus (não mencionada aqui)
2 - Maria, mãe de Tiago e de José
3 - Mãe dos filhos de Zebedeu.
4 - Maria Madalena



b) - SÃO MARCOS - "Achavam-se ali também umas mulheres, observando de longe, entre as quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José, e Salomé," (São Marcos 15,40)

1 - Maria, mãe de Jesus (não mencionada aqui)
2 - Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José
3 - Salomé
4 - Maria Madalena.



c) - SÃO JOÃO - "Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena"." (São João 19,25) 
1 - Sua mãe 
2 - irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas 
3 - Salomé, a mãe dos filhos de Zebedeu (não mencionada aqui) 
4 - Maria Madalena.

II - RESUMO

1 - Sua mãe (Jo); 
2 - Maria, mãe de Tiago e de José (Mt), Tiago, o Menor (Mc), irmã da mãe de Jesus e mulher de Cléofas (Jo); 
3 - Mãe dos filhos de Zebedeu (Mt), chamada Salomé (Mc e Jô) 
4 - Maria Madalena (Mt, Mc,Jô) 


maSEMPRE VIRGEM - 
10 - LITURGIA - Na Liturgia dos etíopes, de autor desconhecido, mas cuja composição data do primeiro século, encontramos diversas menções explícitas da Imaculada Conceição. Umas das suas orações começa nestes termos: Alegrai-vos, Rainha, verdadeiramente Imaculada, alegrai-vos, glória de nossos pais. Mais adiante, é pela intercessão da Imaculada Virgem Maria que o Sacerdote invoca a Deus em favor dos fiéis: "Pelas preces e a intercessão que faz em nosso favor Nossa Senhora, a Santa e Imaculada Virgem Maria.". 


maSEMPRE VIRGEM - 
11- OS PAIS DOS IRMÃOS DE JESUS - “Não é este o filho do carpinteiro? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs, não vivem todas entre nós? Donde lhe vem, pois, tudo isso?” (Mateus 13,55-56). Ora, Tiago Maior (mais velho) é filho de Zebedeu e Salomé, e Irmão de São João Evangelista, portanto impossível ser filho de Maria e José: “Passando adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam com seu pai Zebedeu consertando as redes.” (Mateus 4,21) São Tiago Menor (mais moço), é filho de Alfeu [em aramaico] ou Cléofas [em grego] e Maria: “Filipe e Bartolomeu. Tomé e Mateus, o publicano. Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu(...)” (Mateus 10,3)[ver também Marcos 3,18; Lucas 6,15 e Atos 1,3]; “Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe [Maria], a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas [ou Alfeu em aramaico] , e Maria Madalena” (João 19,25) Ora, a Maria, mulher de Cléofas ou Alfeu, e tia de Jesus [“a irmã de sua mãe, Maria mulher de Cléofas”] é a mão de Tiago Menor, portanto este [Tiago Menor] também é impossível de ser filho de José e Maria. Judas era também irmão de Tiago Menor : “Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago(...)” (Judas 1,1). Visto que Mateus 27,56 fala de “Maria, mãe de Tiago e José”. Marcos 15,40 fala de “Maria mãe de Tiago menor e de José”, e por fim, S. João 19,25 fala de “a irmã de sua mãe, Maria mulher de Cléofas” todos estes relatos referentes às mulheres presentes à crucificação de Cristo, demonstram que: “Por aí se vê que a mesma Maria que é apresentada por São João como tia de Jesus (Irmã de sua mãe) é apresentada por São Mateus e S. Marcos como mãe de TIAGO MENOR e de JOSÉ. E é claro que não se trata de Maria Salomé, que é a mãe dos filhos de Zebedeu e, portanto, é mãe de Tiago Maior. Tiago Menor e José são, portanto, PRIMOS de Jesus e são os primeiros que encabeçam aquela lista: TIAGO, JOSÉ, JUDAS E SIMÃO e de fato o Apóstolo S. Judas Tadeu era irmão de S. Tiago Menor, pois ele diz no começo de sua Epístola: "Judas, servo de Jesus Cristo e IRMÃO de Tiago (v1). Tanto o Evangelho de S. Lucas (6,16) como os Atos dos Apóstolos (1,13) para diferenciarem Judas Tadeu de Judas Iscariotes, chamam a Judas Tadeu: Judas, irmão de Tiago. E assim cai por terra fragorosamente a alegação dos protestantes de que Maria teve outros filhos além do Divino Salvador, alegação baseada em que o Evangelho fala em irmãos de Jesus. Não só provamos que entre os hebreus se chamavam IRMÃOS os parentes próximos, mas também mostramos que a lista dos nomes apresentados como sendo destes IRMÃOS é logo encabeçada pôr dois PRIMOS, filhos da irmã da mãe de Jesus. Logo, não tem nenhum valor a alegação. A única dificuldade, esta agora já sem importância, que pode fazer o protestante é que Tiago Menor é filho de ALFEU, e sua mãe é apresentada COMO MULHER DE CLEOFAS. Sem precisar recorrer a nenhum argumento de tradição (porque talvez os protestantes não gostem disto) temos que observar o seguinte: l. — o texto original não diz MULHER DE CLÉOFAS, mas diz simplesmente: a irmã de sua mãe, Maria, a do Cléofas (texto grego de João 19,25); podia chamar-se Maria, a do Cléofas, por causa do pai ou por outro qualquer motivo; 2 — não repugna que a mesma Maria se tenha casado com Alfeu e dele tenha tido S. Tiago Menor, e depois se tenha casado com Cléofas e tido outros filhos ou mesmo deixado de ter. Tiago é o único que é apontado nos Evangelhos como filho deste Alfeu, pois o Alfeu, pai de S. Mateus (Marcos 11-14) já deve ser outro; 3.° — não repugna que o próprio Alfeu seja o mesmo Cléofas. É muito comum nas Escrituras uma pessoa ser conhecida pôr 2 nomes diversos: O sogro de Moisés é chamado Raguel (Êxodo 11-18 a 21) e logo depois é chamado Jetro (Êxodo, III - l). Gedeão, depois de ter derribado o altar de Baal é chamado também Jerobaal (Juizes 6,32). Osias, rei de Judá, é chamado também Azarias (4 Reis, XV-32; I Paralipômenos, III-12). E no Novo Testamento o mesmo Mateus é chamado Levi: "Viu um homem, que estava assentado no telônio, chamado Mateus (Mateus 9,9) . "Viu a Levi, filho de Alfeu, assentado no telônio (Marcos, 11-14). O mesmo que é chamado José é chamado Barsabas (Atos, I, 23). Ainda hoje mesmo, entre nós, nas nossas localidades do interior principalmente, é multo comum esta duplicidade de nomes. Seja Alfeu o mesmo Cléofas ou não seja. Isto pouco importa. 0 que é fato é que Maria de Cléofas é Irmã de Maria, mãe.de Jesus e é ao mesmo tempo mãe de Tiago e de José, que são chamados IRMÃOS do Senhor" (cf. NAVARRO, Lúcio. Legítima Interpretação da Bíblia, Campanha de Instrução religiosa, Brasil - Portugal, Recife, 1958 n0 400, pp.590-592 inclusive apud Meneses, Sérgio - "A virgindade de Maria e os irmãos de Jesus". Associação Cultural Montfort, online, 18/07/2006.[com adaptações nossas]). c) Além das evidências bíblicas acima explanadas, apresento outras duas evidências que atestam que Maria não teve outros filhos. 1ª - Ao morrer, Jesus confia sua mãe a João, filho de Zebedeu e Salomé, se Maria tivesse outros filhos estes teriam a obrigação de estar ao seu lado a amparando. 2ª - Na viagem para Jerusalém a fim de celebrar a páscoa, quando Jesus tinha 12 anos de idade, só ele estava com Maria e José, caso Jesus tivesse outros “irmãos” estes seriam 12 anos mais jovens, contradizendo o papel desempenhado pelos “irmãos” de Jesus nos Evangelhos, papel de irmão mais velho. (cf. João 7,3 e Lucas 2,41-49). São Tomás de Aquino, enumera pontos, “segundo razões de conveniência” para a virgindade após parto: 1. O que desde toda eternidade é Filho único do Pai, convém que seja no tempo o filho único de Maria. 2. Seria uma ofensa ao Espírito Santo, o qual santificou para sempre o seio virginal de Maria. 3. Se a dignidade de ser Mãe de Deus supôs a virgindade antes e no parto, essa mesma dignidade segue existindo depois do parto (cf. S. Th. III, q. 28, a.3) Maria Santíssima é a pureza personificada, o ideal vivente da virgindade. Por ela, escreve São Cura D'Ars: "Devemos professar uma fervente devoção à Santíssima Virgem, se quisermos conservar essa virtude; da qual não nos deve caber dúvida alguma, se considerarmos que Ela é a Rainha, o modelo de Patrona das Virgens..." (Sermão sobre a pureza) << >> Enfim, Dom Estevão Bettencourt, OSB define o significado da virgindade de Maria nos seguintes termos: “A virgindade de Maria não implica o menosprezo do matrimônio, mas tem o seguinte significado positivo: O Filho de Maria Virgem é verdadeiro homem, mas é também verdadeiro Deus e, como tal, assinalado pelo seu modo de nascer. A natividade de Jesus é sinal ou símbolo de que: 1) a salvação do gênero humano é algo totalmente gratuito; ela se deve a soberana iniciativa de Deus (cf. Jô 1,13) 2) Com Jesus começa algo novo na história do mundo, e dos homens. Entrando no curso dos tempos, Deus recriou o homem. Essa novidade é expressa pelo modo inédito como Jesus nasceu. 3) Mais: na virgindade de Maria torna-se claro o fato de que Deus pode assumir totalmente alguém para o seu serviço, pedindo-lhe renuncia a bens lícitos, sem, por isso, tirar fecundidade a esta criatura, mas ao contrário, dando-lhe mais rica fecundidade. A virgindade física de Maria é o sinal da sua total entrega de espírito a Deus. Sem essa entrega interior, a virgindade biológica não teria sentido para Maria.” (BETTENCOURT ,Estevão. Curso de Iniciação Teológica, Rio de Janeiro: Escola Mater Ecclesiae, Módulo 26, p.104). “Compreende-se por que Maria não teve outros filhos além de Jesus: foi chamada a ser o tabernáculo da Divindade, no qual o Grande Rei devia tomar assento. Toda a tradição cristã lhe reconheceu esta prerrogativa, designando-a como a “sempre virgem” (aeiparthenos)” (BETTENCOURT,Estevão. Pergunte & Responderemos nº 257, maio/2006, p.196.)



maSEMPRE VIRGEM - 12 - PATRÍSTICA1 - AGOSTINHO (354-430)- "Virgem que concebe, virgem que dá à luz, virgem grávida, virgem que traz o feto, Virgem perpétua"(Santo Agostinho, Sermones, CLXXXVI, 1, 1). 


maSEMPRE VIRGEM - 13 - PATRÍSTICA2 - AMBRÓSIO (334-397) - "... "Houve quem negasse que Maria tivesse permanecido virgem. Desde muito temos preferido não falar sobre este tão grande sacrilégio. Maria (...) que é mestra da virgindade, (...) não podia acontecer que aquela que em si tinha trazido Deus , resolvesse andar às voltas com um homem. Nem José, varão justo, cairia nessa loucura de querer misturar-se com a mãe do Senhor, em relação carnal".( De Inst. Virg. I , 3)


maSEMPRE VIRGEM - 
14 - PATRÍSTICA3 - ATANÁSIO - (295-386?), o grande defensor da divindade de Cristo Jesus contra os hereges arianos, proclamou também a virgindade perpétua de Maria Santíssima. "Jesus tomou carne da sempre virgem Maria". Dídimo, o cego (U380).



maSEMPRE VIRGEM - 
15 - PATRÍSTICA4 - CIRÍCIO (392) - São Sirício, Papa entre os anos 384 e 398, escreveu uma carta a Anisio, Bispo de Tessalônica, dizendo: "Em verdade, não podemos negar haver sido com justiça repreendido aquele que fala dos filhos de Maria, e com razão sentiu horror vossa santidade de que do mesmo ventre virginal do qual nasceu, segundo a carne, Cristo, pudesse ter saído outro parto. Porque não teria escolhido o Senhor Jesus nascer de uma Virgem, se tivesse julgado que esta teria de ser tão incontinente que, com sêmen de união humana, haveria de manchar o seio onde se formou o corpo do Senhor, aquele seio, palácio do rei eterno. Porque aquele que afirma isto, não afirma outra coisa do que a perfídia judaica daqueles que dizem que não pode nascer de uma Virgem. Porque, aceitando a autoridade dos sacerdotes, porém sem deixar de opinar que Maria teve muitos partos, com mais empenho pretendem combater a verdade da Fé"( S. Sirício, Papa, Carta a Anísio, Bispo de Tessalônica, em 392. Denzinger, 91). 


maSEMPRE VIRGEM - 
16 - PATRÍSTICA5 - CIRILO DE ALEXANDRIA (370-442) - "Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve, Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu de ti; mãe por virtude daquele que cobriste com panos e nutriste em teu seio; serva, por aquele que amou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta, porque concebeste sem concurso de varão, e foi divino teu parto. Salve, Maria, templo onde mora Deus, templo santo, como o chama o profeta Davi, quando diz: 'O teu templo é santo e admirável em sua justiça' " (Sl 64)


maSEMPRE VIRGEM - 
17 - PATRÍSTICA6 - EFRÉM (306-373) - "Ó Virgem Senhora, Imaculada deípara (geradora de Deus), senhora minha gloriosíssima, mais sublime que os céus, muito mais pura que os esplendores, raios e fulgores solares... Vara de Aarão que germina, pareceste como verdadeira vara e a flor foi o teu Filho verdadeiro, nosso Cristo Deus e Criador meu. Tu, segundo a carne, geraste Aquele que é Deus e Verbo, conservando a virgindade antes do parto, virgem depois do parto, e fomos reconciliados com Deus teu filho".


maSEMPRE VIRGEM - 
18 - PATRÍSTICA7 - EPIFÂNIO - Já no Credo, ou Símbolo da Fé, de santo Epifânio, que é do século IV, se proclama a virgindade perpétua de Maria Santísima, dizendo esse Credo que Cristo "foi gerado por Maria sempre virgem"(Cfr. Denziger, 17). '


maSEMPRE VIRGEM - 
19 - PATRÍSTICA8 - EPIFÂNIO (325-403) - "De onde vem esta perversidade? De onde é que irrompeu tamanha audácia? Porventura o próprio nome não é suficiente atestado? Quem jamais houve, em tempo algum, que ousasse proferir o nome de Maria e espontaneamente não lhe acrescentasse a palavra virgem? O nome de Virgem foi dado a Santa Maria, nem se mudará nunca, ela sempre permaneceu ilibada (Panarion, Contra os hereges). Já no Credo, ou Símbolo da Fé, de santo Epifânio, se proclama a virgindade perpétua de Maria Santísima, dizendo esse Credo que Cristo "foi gerado por Maria sempre virgem"( Cfr. Denziger, 17). 


maSEMPRE VIRGEM - 
20 - PATRÍSTICA9 - JERÔNIMO (340-430) - Tratado de São Jerônimo contra Helvídio. 



maSEMPRE VIRGEM - 
21- PATRÍSTICA10 - TERTULIANO afirma expressamente que Maria, no momento de dar à luz, perdeu a virgindade (De Car. 23). 


maSEMPRE VIRGEM - 
22 - PÓRTICO FECHADO - FIGURA DE MARIA - "O Senhor disse-me: Este pórtico FICARÁ FECHADO. Ninguém o abrirá, ninguém aí passará, porque o Senhor, Deus de Israel, aí passou; ele permanecerá fechado. O Príncipe, entretanto, enquanto tal, poderá aí assentar-se para tomar sua refeição diante do Senhor." (Ez 44,2-3)



maSEMPRE VIRGEM - 
23 - PRIMOGÊNITO1 - "Javé disse a Moisés: "Faze o recenciamento de todos os PIMOGÊNITOS homens dos filhos de Israel, da idade de um mês para cima" (Num 3, 40).



maSEMPRE VIRGEM - 
24- PRIMOGÊNITO2 - Poderia se chamar PRIMOGÊNITO a um filho que não tivesse nem irmã nem irmão mais jovem (filho único). Como exemplo disso tenha-se em conta a descoberta de uma inscrição sepulcral do ano 5 a.C. [antes de Cristo] encontrada na cidade de Tell el-Jedouhieh (Egito) no ano de 1922, onde se lê que uma jovem mulher chamada Arsinoé morreu "nas dores do parto do seu filho primogênito" 



maSEMPRE VIRGEM - 
25- PRIMOGÊNITO3 - E UNIGÊNITO - "Pelo meio da noite, o Senhor feriu todos os primogênitos no Egito, desde o primogênito do faraó, que devia assentar-se no trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais." (Êxodo 12,29)


maSEMPRE VIRGEM - 
26 - PRIMOGÊNITO - DESDE UM MÊS - A Bíblia é bastante clara: "Santifica-me todo primogênito, todo o que abrir a madre de sua mãe entre os filhos de Israel" (Ex 13,2). Aliás, é por isso que o Senhor diz a Moisés, quando ordena o censo, que todos os primogênitos do sexo masculino COM MAIS DE UM MÊS fossem contados no censo (Nm 3,40). Caberia a pergunta: como saberia Moisés ou qualqueer pessoa que um nenezinho de um mês de idade teria outros irmãos? Um "mistério"... A Bíblia repete várias vezes o significado de "bek-ore", que é o termo que se traduziu por "primogênito": é aquele que abre o útero (Ex 13,2;Nm 3,12;Nm 18,15; Dt 15,19; etc...), a primeira criatura viva nascida de um primeiro parto. É claro que não significa que fosse o único, mas de modo algum significa que houvessem outros, obrigatoriamente. E por isso foi que Maria, após a purificação prescrita na lei (em torno de 40 dias), levou Cristo para apresentá-lo no Templo. E S.lucas relata assim; " "Depois que foram concluídos os dias da purificação de Maria, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentarem ao Senhor: Todo o varão primogênito será consagrado ao Senhor" (Lc 2, 22). Será que quando Cristo tinha 40 dias de idade já tinha algum irmão? (Pedro Elísio em CGF - "As Marias são Oniscientes...?"-Pg.47) 

maZEITUM - APARIÇÕES - Aparições em - Egito - ver: 





IR PARA: <-^->



Nenhum comentário:

.............................CABEÇALHO
------------------------------------------------------------------------------



1) - ANOTAÇÕES APOLOGÉTICAS (27 Páginas)



2) -
MENTIRAS PROTESTANTE (Vai para outro site)



3) - ARTIGOS DIVERSOS



------------------------------------------------------------------------------